Proposta de Treinamento: 8 elementos para elaborar a sua

A proposta de treinamento não é apenas um processo burocrático e saber como elaborá-la é fundamental para o Designer Instrucional.

Pensando nisso, este artigo vai te mostrar quais são os elementos essenciais para uma proposta eficaz e como você pode utilizar esse momento de forma estratégica.

Como eu disse mais acima, a Proposta de Treinamento não é só uma parte burocrática do processo de Design Instrucional, mas também uma oportunidade para pensar no projeto de forma criativa e mostrar a relevância estratégica do DI para o negócio.

Ela acontece logo após o Levantamento de Necessidade de Treinamento, ou seja, depois que você já identificou que um treinamento é mesmo a solução para o problema do cliente.

Em outras palavras, esse é o momento de condensar as informações coletadas, pensar na estratégia que será utilizada para esse treinamento e apresentá-la ao cliente para aprovação.

Os 8 elementos de uma Proposta de Treinamento eficaz

Existem 8 itens obrigatórios em toda Proposta de Treinamento.

#1 – Introdução – Visão Macro

O primeiro ponto que sua proposta deve trazer é uma introdução, contextualizando o cenário em que o projeto foi idealizado.

Isso pode incluir o propósito da empresa, fatores econômicos, situações extraordinárias (como a pandemia, por exemplo), crise no setor do cliente e qualquer coisa que impacte de alguma forma no tema que será tratado na proposta.

#2 – Visão Geral do Projeto

Depois de entender o contexto macro, você vai apresentar uma visão geral sobre o projeto e como ele se encaixa nesse cenário.

A ideia é reforçar a importância estratégica desse treinamento e como ele se conecta com a visão macro abordada na introdução.

Esses são os tópicos que precisam estar na Visão Geral do Projeto:

  • Nome do Treinamento
  • Contexto (resultados relevantes para o negócio)
  • Público-alvo
  • Objetivos de Desempenho (comportamentos observáveis)
  • Objetivos de Aprendizagem

#3 – Escopo

Até aqui você se conectou com o cliente na Introdução, mostrando que entende quais são os problemas do setor, e mostrou como esse treinamento é importante para a empresa na Visão Geral do Projeto.

Chegou a hora de falar sobre o projeto em si, ou seja, você vai apresentar a solução que pensou em utilizar, a modalidade (presencial ou online), o formato, a estratégia e a carga horária estimada.

Formatos e Estratégias de Aprendizagem para sair do óbvio

Nessa etapa é muito importante que você também explique o porquê de cada escolha feita, ok?

#4 – Referências Visuais

Proporcione ao cliente uma demonstração visual para que ele consiga entender o que você está pensando em termos gráficos.

Em outras palavras, selecione algumas ilustrações, utilize telas de outros treinamentos e uma paleta de cores para demonstrar como o curso ficará depois de pronto.

Ah! E lembre-se de justificar a escolha desses elementos e cores.

#5 – Requisitos

Neste quinto ponto, alinhe tudo o que é requisito para desenvolver a solução mencionada no Escopo.

Em geral, aqui você aborda temas como:

  • Infraestrutura necessária: por exemplo, se a solução é uma gamificação, quais são os recursos que o aluno precisa ter acesso para conseguir realizar o curso?
  • Orçamento disponível: qual será o investimento financeiro necessário para desenvolvê-la? 
  • Contratações: serão necessárias contratações de fornecedores ou outros profissionais?

#6 – Entregáveis

Deixe claro o que o cliente vai receber (Entregáveis) e também o que não faz parte da sua entrega. 

Esse é um ótimo momento para educar o cliente sobre o processo e tudo o que envolve a criação de um treinamento.

Caso precise, este são alguns exemplos de entregáveis:

  • Roteiro para validação
  • Banco de questões
  • Curso de até X horas com locução
  • Materiais de suporte à aprendizagem
  • Pacote SCORM
  • Implementação na plataforma

#7 – Papéis e Responsabilidades

Esse é o momento de definir os papéis e responsabilidades de cada um dos envolvidos.

Deixe claro que esse é um projeto de colaboração, ou seja, para que tudo seja entregue com qualidade e no prazo combinado, todos precisam fazer a sua parte.

Conheça os 8 atores envolvidos na produção de um e-learning

#8 – Cronograma

Ainda que não seja o cronograma final, é importante que sua proposta apresente algumas datas estimadas, como o início do projeto, as datas de validação e os principais marcos do projeto.

Além disso, coloque no Cronograma o tempo de execução de cada tarefa e o limite de rodadas de validação para que a entrega seja feita no prazo.

Bônus – Plano de Comunicação

Muitas vezes, a falta de um bom plano de comunicação é o motivo pelo qual o curso tem baixa adesão.

Não é sempre que essa é uma responsabilidade do DI, mas é importante trazer esse ponto na proposta e entender se o cliente precisa da ajuda do Designer Instrucional para construir um plano de comunicação eficiente.

Com exceção do Plano de Comunicação, esses elementos são obrigatórios para elaborar uma proposta de treinamento eficaz. 

A entrega da proposta pode ser feita em qualquer formato, mas é importante considerar como ela será feita. Por exemplo, se você precisa apresentá-la em uma reunião, talvez o PowerPoint seja a melhor opção. Agora, se a entrega é apenas por e-mail, então o Word é uma boa alternativa.


Se você gostou desse artigo, inscreva-se na minha newsletter e receba mais conteúdos como esse.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =