Abandone esse hábitos se quiser ter sucesso como Designer Instrucional

Às vezes, de forma inconsciente, acabamos adquirindo certo hábitos mesmo sem querer, sem pensar… e com a pressão por prazos que os designers instrucionais encaram o tempo todo, isso é fácil de acontecer.

Nosso cérebro é “preguiçoso”, se ele identifica um padrão, algo que você fez e deu certo, então ele vai sempre te indicar aquele caminho de menor esforço a cada vez que uma situação semelhante ocorra, até que, zás, você tem um hábito.

Por isso, é preciso estar alerta e observar o nosso comportamento e a percepção dos outros sobre isso.

Na minha percepção, esses são os hábitos que nós, designers instrucionais, mais tendemos a desenvolver – e combater!

– Conformismo

Sabe aquele sentimento de “ah, não sei, quando cheguei já estava assim…”? 

Já aconteceu de você questionar algo (positivamente) e receber uma resposta do tipo “é assim mesmo, não mexe”?

Não aceite! Com elegância, rompa essa chatice e, a cada dia, dê um passo em direção à uma postura estratégica e consultiva frente aos seus projetos.

– Preguiça de pesquisar

Não sei você, mas eu usei muito a Barsa! Para ter uma informação mais ampla, era preciso ir até uma Biblioteca e copiar tudo em uma folha de almaço #vintage

Hoje, nada justifica não “dar um google” para saber mais sobre determinado assunto.

O conteúdo não está claro? Conteudista e Google.

Precisa de referência? Colega e Google.

– Arrogância

É bem comum que os designers instrucionais, principalmente aqueles que estão focados em e-learning, sejam vistos como nerds ou “aquele pessoal que entende de tecnologia e fala difícil”.

Cuidado com esse estereótipo. Criar essa barreira pode te dar um arrogante e chato.

Bom, se você não gosta de ter uma pessoa assim ao seu lado, comece não sendo!

– Obesidade mental

Paradoxalmente, apesar da preguiça de pesquisar, acabamos desenvolvendo uma necessidade de estar presente em tudo, assinar tudo, querer saber de tudo…

Há um tempo, eu tinha 3 grupos no Telegram (para Gestores, DIs e Empreendedores), fechei todos e e criei apenas um… 80% das pessoas estavam em todos os grupos!

Tenha foco… e mude-o, se precisar.

Esse artigo fez sentido para você: Sim ou Não?

Deixe seu comentário.

2 Comentários

  1. carlos castillo

    Concordo plenamente contigo, não é fácil manter o foco, isso eu posso dar como minha realidade, mas, é importante criar consciência da sua vitral importância. Para isso, só praticando mesmo. E essa experiência nos dará uma caminho e uma visão muito mais clara em tudo que é tarefa do dia-a-dia, seja profissional ou pessoal.

    Responder
  2. Viviane

    Soani fez muito sentido. Até pq já venho trabalhando nessa mudança de mentalidade, que esses hábitos nojentos insistem ocupar…. gratidão ♥️

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − oito =